18/10/2019 às 08h02min - Atualizada em 18/10/2019 às 08h02min

Artistas baianos visitam alunos de Creche em Cajazeiras VIII

“Como você faz suas artes?”, “Como escolhe as cores?”, “Como faz o grafite?” Essas foram algumas das perguntas feitas por alunos da Creche e Pré-Escola Primeiro Passo de Cajazeiras VIII, que, na manhã desta quinta-feira (17), participaram de uma roda de conversa com o artista plástico Bel Borba e o grafiteiro Vinícius Vidal. Na ocasião, cerca de 100 estudantes do Grupo 5 participaram do bate-papo. O evento contou com a participação da gerente regional de Educação de Cajazeiras, Adenildes Teles.

Atentos e muito empolgados com a presença dos artistas, os menores, que pesquisaram e estudaram um pouco sobre a vida dos convidados na sala de aula, não deixavam passar uma oportunidade e perguntavam a todo o tempo. Eram muitas curiosidades.

A pequena Beatriz Almeida, de 5 anos, apesar da pouca idade, mostrou ser bem apaixonada pela arte. “Eu gosto muito de pintar, de desenhar e de dançar. Qualquer lugar que puder eu desenho alguma coisa. É muito legal porque eu posso fazer do jeito que eu quero e me divirto bastante”, pontuou.

A diretora da instituição, Mércia Machado explicou que a atividade faz parte do projeto didático do ano letivo que traz como tema, “Salvador, cores, sabores e culturas na identidade infantil”. “Sempre trabalhamos com as artes plásticas e visuais em conjunto com o projeto pedagógico. Como o tema deste ano é sobre nossa história, nada mais justo que trazer artistas locais. É um momento de eles conhecerem de perto os artistas e terem consciência da necessidade do gosto do lúdico, que já é algo trabalhado em sala. O mundo da criança é um colorido e a arte vem desabrochar esse encanto. Toda criança nasce com o dom da arte e nos exploramos muito esse campo de experiências”, pontuou.

Transformação – Um dos convidados, Bel Borba classificou o momento como uma bênção na sua vida e garante que a arte na educação traz muitos resultados. “A arte contribui para que as crianças possam pensar fora da caixa. Ensina a tirar coisas de dentro e externar os sentimentos. É um exercício de criação, autodescoberta e disciplina. Espero que a minha presença passe para eles um estímulo para que nunca deixem de usar a arte como forma de expressão. Estou muito grato por esse momento”, afirmou.

Já Vinícius Vidal, que coincidentemente conheceu o grafite na escola em que estudava, contou que a arte abriu para ele várias portas e se vê na responsabilidade de multiplicar a mensagem e o poder dessa transformação. “A arte é um grande instrumento de ação social. É uma ferramenta de construção, que liberta, nos aproxima dos nossos sonhos e transforma. Em conjunto com a educação, consegue encontrar caminhos e alternativas para coisas positivas. Através da arte do grafite foram abertas várias possibilidades para mim. Eu conheci vários países. Espero que essa transformação que aconteceu comigo possa incentivar esses alunos e os faça acreditar que é possível alcançar seus sonhos”, declarou.

Além de contar um pouco da própria trajetória, o grafiteiro proporcionou um momento de bastante diversão e interação entre os estudantes. O artista apresentou os Stickers – adesivos que têm se tornado febre no Brasil. Com o artista, as crianças puderam criar figurinhas e trocar com os colegas para guardarem de recordação ou colarem nos cadernos.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual veículo de comunicação lhe mantém informado sobre o que acontece em Cajazeiras ?

7.1%
3.3%
3.7%
76.8%
9.1%